Microfone: cobra ou espada

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

É difícil conhecer alguém que goste.

De modo geral a sensação de falar utilizando o microfone é de desconforto.

 

As pessoas afirmam que a voz sai distorcida, não gostam da própria expressão verbal, o microfone atrapalha, e vai por ai. Diversos são os diagnósticos contrários ao temido microfone.

 

Quando surge uma oportunidade para falar em público é um momento importante que deve ser aproveitado.

 

Não conhecendo o microfone temos medo dele, conhecendo-o vamos descobrir que na verdade ele é um forte aliado que otimiza nossos potenciais de comunicação. 

 

 

Qual a Posição Correta e a Distância?

 

Deve-se segurar o microfone mantendo-o numa posição paralela ao piso. O objetivo é otimizar a comunicação através do olhar e retirar a melhor eficácia da ferramenta. De modo geral os microfones disponíveis no mercado tem captação centralizada, logo essa posição melhora sensivelmente a qualidade  e o volume da voz. A distância ideal dos lábios até o microfone,  para o homem, deve estar entre dois a três centímetros, dependendo da intensidade da voz. Já a mulher pode aproximar mais um pouco sem causar incômodo.

  

Cobra ou Espada Afinal

 

O receio de utilizar o microfone faz com que  algumas pessoas imaginem que o microfone se parece com uma cobra Outras imaginam que é uma espada, uma arma poderosa. Prefiro a segunda leitura. O microfone sem fio confere legitimidade ao orador, poupa as cordas vocais e resolve o problema do que fazer com  uma das mãos.

  

Não Abra Mão do Microfone.

 

Quem fala em público deve ser capaz de gerenciar os prováveis conflitos que surgirem e administrar situações embaraçosas. Não se deve impor qualquer ponto de vista. Ao contrário, o jogo de cintura aqui é fundamental. O indivíduo que consegue ser flexível e ao mesmo tempo empático se sai bem diante de qualquer imprevisto na hora de falar. O microfone não é fator de risco, ao contrário ele é uma arma poderosa.

 

Nenhum argumento prospera quando o orador mantém o controle da situação. E mais, só existe uma pessoa que pode derrotá-lo:

 

VOCÊ MESMO!

 

Prof. David Telles

Diretor-Instrutor

IOE – Instituto  Oratória  Emocional